Veja Portugal

Hotel Lis - Baixa

Tratamos frutos secos oriundos do Mundo inteiro

23 de Fevereiro de 2013

// A marca Secos da Aldeia, da sociedade de torrefacção de Joaquim S. Henriques, uma empresa do concelho de Leiria que existe há mais de 30 anos no negócio dos frutos secos e está agora a apostar também na exportação, tem origem na embalagem de pevides em sacos de 20 gramas selados com velas e na sua venda diária em São Pedro de Moel.

No início, os equipamentos eram escassos, a fonte de energia, a lenha e os colabora-dores apenas dois, os sócios-gerentes. Mas, a diversidade de produtos e a expansão de mercados foi forçando o edifício e a actividade a crescerem e a adaptarem-se às necessidades à evolução da produção.

“Hoje a visão do mercado é diferente e o objectivo primordial da empresa é, implementar, manter e controlar a política de qualidade, garantindo a salubridade dos produtos transformados e comercializados, e desenvolver a sua gama de produtos, no sentido de oferecer valor acrescentado aos clientes”, afirma Hugo Fidalgo, director comercial da empresa.

Revista Veja Portugal - Tratamos frutos secos oriundos do Mundo inteiroAs pevides, os tremoços e os pinhões marcaram o nascimento da empresa, na década de 1970, quando os únicos equipamentos de que dispunha eram um forno para a torra e um caldeiro para a fervura das pevides e a cozedura dos tremoços. A fonte de energia era a lenha.

Na década seguinte chegou a primeira máquina para torrar amendoins e, posterior-mente, com a globalização, o aparecimento do pistàcio obrigou à aquisição de uma máquina apenas para a sua transformação. A lenha foi substituída pelo gás. Mais tarde, e com as oportunidades de mercado que foram surgindo e o aparecimento do caju, a empresa adquiriu uma fritadeira e deu início a outra actividade, a fritura.

Entre 1990 e a actualidade, os aspectos mais marcantes foram a ampliação das instalações, o maior escoamento dos produtos embalados, pela introdução das regras do controlo alimentar, o que provocou o aumento das infra-estruturas e a necessidade de aumentar postos de trabalho; a implementação do sistema de auto controlo baseado na metodologia HACCP e a criação da marca Secos da Aldeia.

O essencial da actividade da sociedade de torrefacção de Joaquim S. Henriques centra–se na transformação, comércio, importação e exportação de frutos secos. Mas, para um melhor acompanhamento das tendências do mercado, a empresa diversificou a sua gama de produtos, apresentando também uma gama de sementes e bagas e diferentes tipos de gomas.

Revista Veja Portugal - Tratamos frutos secos oriundos do Mundo inteiro

 

Comentários

comentários

Login para a tua conta

Não te recordas da tuaPassword ?

Registar neste site!