Veja Portugal

Hotel Lis - Baixa

Portugal duplica exportações para os mercados árabes

19 de Junho de 2013

O nosso Pais duplicou em menos de uma década as exportações para os mercados árabes, “ultrapassando os mil milhões de euros e totalizando uma quota total (visíveis e invisíveis) de 10% das exportações portuguesas”, revela a Câmara de Comércio e Indústria Árabe Portuguesa (CCIPA), que esta quinta e sexta-feira promove, em Lisboa, o 1º Fórum Económico Portugal-Países Árabes.

Segundo a CCIPA, “os Países Árabes surgem como parceiros relevantes e estratégicos de Portugal e oferecem um vasto conjunto de reais oportunidades de negócio”. Com mais de 400 milhões de habitantes e potenciais consumidores, com um poder aquisitivo de bens de equipamento e de consumo superior a 350 mil milhões de euros/ano, “detêm oportunidades ímpares para a internacionalização das empresas Portuguesas”.stone pedra natural 1

No fórum, em que estão representadas cem empresas dos 22 Países da Liga dos Estados Árabes serão abordados sectores como o económico-financeiro, energias e energias renováveis, ferroviário, construção e obras públicas, recursos hídricos (captação e saneamento), minas, telecomunicações, novas tecnologias, têxteis, couro e calçado, mobiliário, farmacêutico, informático, agro-alimentar, turismo e investimentos.

expo house concept

A pedra e o mobiliário são dois dos sectores que interessam aos investidores árabes

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral da Câmara de Comércio e Indústria Árabe Portuguesa (CCIPA), Karim Bouabdellah, explicou que as exportações de Portugal para os países árabes registaram “um aumento muito significativo”  para os actuais 1,3 milhões de euros, quando há oito anos o valor rondava os 500 milhões.

Como a carteira de projectos das obras públicas e saneamento básico corresponde a dois mil milhões de euros anuais, as exportações totais rondarão os 2,5 mil milhões a três mil milhões de euros, o que coloca os países árabes como “o segundo parceiro comercial de Portugal, atrás da Europa e à frente da América Latina e de África”, sublinhou Karim Bouabdellah.

As áreas das obras públicas, materiais de construção, têxteis, ferroviária, dos domínios do hardware e software, saneamento básico, turismo, energias renováveis e da energia tradicional (petróleo e gás) e a fileira da fibra óptica são algumas das que mais interessam aos investidores árabes.

 

Comentários

comentários

Login para a tua conta

Não te recordas da tuaPassword ?

Registar neste site!